Polícia Federal deflagra fase da Operação Facheiro IV e destrói grande quantidade de pés de maconha

Superintendências da PF do Pará e do Maranhão contaram com a cooperação de órgãos de segurança dos dois estados

Polícia Federal deflagra fase da Operação Facheiro IV e destrói grande quantidade de pés de maconha
WhatsApp Image 2019-11-01 at 07.03.03.jpeg

A Polícia Federal deflagrou, no período de 16 a 31 de outubro, uma nova etapa da Operação Facheiro IV objetivando a erradicação de plantações de maconha.

Com a atual fase, atingiu-se a destruição de 360 mil pés de maconha nas regiões do Noroeste do Maranhão e Nordeste do Pará.

A operação contou com a participação da Coordenação de Aviação Operacional da Polícia Federal (CAOP/DIREX/PF), do Centro Tático Aéreo da Polícia Militar do Estado do Maranhão (CTA/SSP/MA), do Grupo Aéreo de Segurança Pública do Pará (GRAESP/SSP/PA), da Polícia Militar do Pará (PMPA) e do Corpo de Bombeiros Militar do Pará (CBM/SSP/PA), totalizando aproximadamente 100 policiais de diferentes forças de segurança pública.

No Maranhão, a operação se concentrou nos limites da Terra Indígena Alto Turiaçu, nos municípios de Nova Olinda do Maranhão, Centro Novo do Maranhão, Centro do Guilherme, Araguanã e Zé Doca, enquanto que no Pará as ações foram empreendidas na Terra Indígena Alto Rio Guamá e no Polígono do Capim, regiões que compreendem os municípios de São Domingos do Capim, Concórdia do Pará, Bujarú, Tomé-Açu e Cachoeira do Piriá.

Foram localizadas e inutilizadas 136 plantações, em uma área de cerca de 240 mil metros quadrados, promovendo a erradicação de aproximadamente 360 mil pés de maconha e apreensão de mais de 1 tonelada da droga pronta para o consumo, com a destruição dos acampamentos e substâncias encontrados nas incursões, além da lavratura de um auto de prisão em flagrante delito por porte ilegal de armas de fogo e tráfico de drogas, tipificados nas Leis 10.826/2003 e 11.343/2006.

A ação policial evita que aproximadamente 120 toneladas de maconha sejam traficadas e comercializadas, representando expressiva diminuição da oferta do entorpecente.