Observatório Nacional participa da descoberta do mais distante aglomerado de galáxias

Protoaglomerados ajudam a compreender o universo e permitem a observação de grande número de galáxias raras ao mesmo tempo

Observatório Nacional participa da descoberta do mais distante aglomerado de galáxias

Uma equipe internacional de astrônomos, incluindo profissionais do Observatório Nacional, unidade de pesquisa vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), descobriu nesta sexta-feira (27), o protoaglomerado de galáxias mais distante já encontrado, a 13 bilhões de anos-luz da Terra. A equipe é liderada por Yuichi Harikane, do observatório Astronômico Nacional do Japão, e utilizou os telescópios Subaru, Keck e Gemini.

Roderik Overzier, pesquisador associado do Observatório Nacional, no Rio de Janeiro, e membro do time responsável pela descoberta, comentou: “Estes protoaglomerados mais distantes serão alvos excelentes para observações futuras com a nova geração de telescópios como o telescópio espacial James Webb, o Giant Magellan Telescope e o Extremely Large Telescope. Esses objetos contêm muitas galáxias em uma pequena região, o que significa que podemos observar um grande número de galáxias raras ao mesmo tempo, o que vai acelerar enormemente a nossa compreensão do universo primitivo”, disse.

A descoberta mostra que essas grandes estruturas já existiam em uma época em que o universo era bastante jovem, com apenas 800 milhões de anos (6% da idade atual).   O Observatório Nacional explica que uma das grandes perguntas da astronomia atual é como esses aglomerados de galáxias se formaram na história do universo, já que é difícil encontrá-los em grandes distâncias enquanto ainda jovens. Esta fase é crucial para entender sua formação e o crescimento de galáxias encontradas nos aglomerados de hoje.

“Iniciamos esta pesquisa com o objetivo de estudar quando protoaglomerados se formaram no universo", disse Yuichi Harikane. “Para saber quando um protoaglomerado se forma, precisamos voltar no tempo, olhando mais fundo no espaço. No entanto, os protoaglomerados são sistemas raros e difíceis de encontrar. Para superar esse problema, usamos a nova câmera HyperSuprime-Cam, no telescópio Subaru, e investigamos uma grande área do céu para fazer um mapa enorme do universo que incluía o raro protoaglomerado”, afirmou.

Observatório Nacional

Criado em 1827 por D. Pedro I, o Observatório Nacional é uma das mais antigas instituições brasileiras de pesquisa. Situada no Rio de Janeiro, atua nas áreas de astronomia e astrofísica, geofísica e tempo e frequência, além de ser responsável pela hora oficial do Brasil. Conheça o ON e tenha mais informações sobre a descoberta do protoaglomerado de galáxias no site do Observatório Nacional.